Arquivos de sites

O PISTOLEIRO CONTRA-ATACA

FUERZA: Contador em um dos treinos da Saxo Bank

ALBERTO CONTADOR CONSEGUIU mais títulos em sua curta carreira do que a maioria dos ciclistas poderia sonhar em uma vida inteira. Aos 28 anos, mesma idade em que o norte-americano Lance Armstrong venceu o primeiro de seus sete Tour de France, o espanhol já coleciona seis títulos do circuito dos três principais desafios ciclísticos do mundo, conhecido como Grand Tour – o Tour de France em 2007, 2009 e 2010; o Giro d’Italia em 2008 e 2011; e a Vuelta a España em 2008. Fora uma longa lista de corridas menos renomadas em diversos países.

Apesar do seu impressionante currículo, a imagem de Contador tem sido bem afetada nos últimos anos. No Tour de France 2009, ele se envolveu numa querela pública com seu então companheiro de equipe Lance, que só terminou quando o espanhol venceu a corrida. Mais recentemente, veio o escândalo do doping. Logo depois da sua vitória no Tour de France 2010, os fiscais da comissão anti-doping da prova anunciaram que uma amostra de sangue de Contador, tirada no segundo dia de descanso do Tour, continha traços da substância proibida clenbuterol. O atleta negou veementemente qualquer trapaça. Em janeiro passado, após meses de investigação, a Federação Espanhola de Ciclismo retirou a acusação. Mas a UCI (Union Cycliste Internationale) e a WADA (World Anti-Doping Agency) apelaram da decisão na Corte de Arbitragem do Esporte em março, deixando Contador competir enquanto aguarda o resultado da apelação, marcado para novembro. Nesse meio tempo, ele venceu o Giro d’Italia em maio e ficou em quinto lugar no último Tour de France.

No mês passado, o campeão espanhol fez uma visita surpresa à gigante fabricante de bikes Specialized, em São Francisco, Califórnia, um dos seus principais patrocinadores. Ao longo de dois dias, ele sentou-se e conversou com a Outside norte-americana a respeito de sua carreira, a dura temporada que passou e se ele conseguirá manter seu domínio sobre o ciclismo nos próximos anos.

Fonte: gooutside.uol.com.br

DICA DE NUTRIÇÃO NO CICLISMO

Por tratar- se de uma modalidade esportiva onde os treinos e provas apresentam longas durações e percursos de variados graus de dificuldade e intensidade, o ciclismo é considerado um esporte de grande exigência física e nutricional. O desgaste energético e de hidratação são condições comuns na prática, que tem a nutrição como uma grande aliada.

Alguns ciclistas, devido a características genéticas, têm melhor desempenho em subidas duras e longas, enquanto outros têm uma grande performance no plano durante longos períodos de tempo. Existem ainda os atletas superpotentes em chegadas explosivas que não duram mais que 30 segundos, os chamados sprintistas ou velocistas.

A maioria dos ciclistas realiza seus treinos nas estradas ou em locais asfaltados com pouca movimentação de carros. Para os atletas de elite, as distâncias podem variar entre 400 à 1000km na semana, dependendo da época do ano. Os treinos são distribuídos entre exercícios de força, tais como: tiros, e treinos longos com velocidade controlada. Mesmo para os ciclistas amadores os volumes de treino podem chegar a 300km na semana.

No que diz respeito à nutrição, o desempenho em provas e treinos depende de uma hidratação adequada e ingestão correta de carboidratos. A desidratação severa pode atrapalhar o desempenho, e o vento pode atrapalhar a percepção de suor pelo corpo durante a atividade.

A ingestão de fluídos e alimentos dependerá da intensidade do esforço, praticidade, fome e condições de temperatura ambiente. Estudos mostram perdas de líquidos de aproximadamente 300 a 1200ml por hora de prática de ciclismo, e dependendo das condições climáticas, da intensidade do esforço e das características individuais do atleta, essas perdas podem ser ainda maiores. O controle de peso antes e após provas e treinos é fundamental para que o ciclista possa conhecer sua perda de fluídos.

É importante que sejam garantidas as necessidades desde o início do treino, antes que a hipoglicemia ou desidratação já estejam instaladas e atrapalhe o rendimento nos estágios finais da prova ou treino. Na bicicleta, a ingestão de alimentos sólidos e líquidos é facilitada. A melhor opção é o consumo de bebidas esportivas, que garantem as necessidades de água, sódio e carboidrato.

Como deve ser a nutrição na prova?

Antes da competição – Os atletas devem consumir de 8 a 10g de carboidratos por quilograma de peso nas 72horas que precedem o evento. A refeição pré-competição deve ser rica em carboidratos, tais como: cereais, pães, frutas, massa e batata, e deve ser feita de 2 a 3 horas antes da prova, pois alguns ciclistas podem ter desconforto gástrico. Os treinos de ciclismo geralmente começam muito cedo, porém o atleta nunca deve iniciar a atividade em jejum. O jantar da noite anterior deve ser rico em carboidratos, pobre em gorduras e moderado em proteínas. Boas opções são os pratos a base massas, cereais e batata. O café da manhã pode ser a base de pães, cereais como aveia, frutas com teor moderado de fibras (como a banana). Nos intervalos antes da prova pode-se ingerir bebidas esportivas, barras energéticas ou pequenos e rápidos lanches energéticos.

A ingestão de carboidratos e fluídos durante o exercício deve ser planejada para os treinos com duração acima de uma hora. A nutrição deve atender as necessidades de 30 a 60 gramas de carboidrato por hora de treino, que devem ser armazenados na bicicleta e nos bolsos da camisa, em forma de bebidas ou alimentos. Além das bebidas esportivas, que contém energia e eletrólitos, alguns alimentos comumente consumidos durantes provas longas são os sanduíches com recheios doces e salgados, barras energéticas e géis.

DICAS PARA O CICLISMO DE ESTRADA:

Priorizar a ingestão de carboidratos na véspera da prova, na refeição pré-competição e durante o evento;

Hidratar-se adequadamente antes, durante e após as provas. A bebida preferencial deve conter carboidratos, na proporção de 6 a 8%, e sódio e potássio, eletrólitos que são perdidos no suor;

Ter certeza de que as garrafas de água estão cheias na bicicleta ou conhecer quando encontrará o apoio para fazer a reposição de líquidos;

O abastecimento de alimentos durante a corrida deve priorizar os alimentos fontes de carboidratos, como sanduíches, barras, géis e bebidas esportivas.

A ingestão de líquidos após a prova deve ser equivalente a 150% do peso perdido. Por exemplo, a perda de 1kg implica na ingestão de 1,5 litro de líquidos.

Fonte: pt.shvoong.com

EVITANDO A FADIGA!

Sem evitar a fadiga, Tangamandápio vira polo ciclístico a 200 km do Pan

Cidade do carteiro Jaiminho (à esq.) de fato existe e é polo ciclístico a 200 km do Pan
Crédito da imagem: Reprodução

Adepto da filosofia de evitar a fadiga a qualquer custo, o carteiro Jaiminho teria ojeriza aos Jogos Pan-americanos. O esforço dos atletas em busca da medalha de ouro deixaria o personagem do seriado “Chaves” em pânico, especialmente no ciclismo, já que não sabia andar de bicicleta. Certamente, ele não percorreria os cerca de 200 quilômetros que separam Guadalajara de Tangamandápio para acompanhar o evento. Sim, a cidade, de fato, existe e, ironicamente, é um polo do ciclismo de montanha.

Se na televisão Jaiminho sempre chegava à vila empurrando a bicicleta, seus conterrâneos têm vocação para pedalar, a ponto de Santiago de Tangamandápio ser conhecido como “povo bicicleteiro”. Crianças, adultos, idosos, mães com filhos de colo: todos se locomovem sobre duas rodas nas ruas estreitas, margeadas por moradias humildes, algumas com paredes de barro. A quantidade de ‘praticantes’ da modalidade, aliada ao relevo montanhoso da região, propiciou o surgimento de alguns talentos, como o jovem Alejandro Barajas, 21 anos, apresentado à reportagem por Paulo Roberto Escobar.

“O povoado é pequeno e, como os lugares são próximos uns dos outros, é muito fácil se locomover de bicicleta. Além disso, não há muita coisa para fazer aqui. No dia das crianças, todas pedem bicicletas para os pais. O povo estava acostumado só com o futebol. Quando perceberam que havia outro esporte, o ciclismo se impulsionou. Há competições estatais em que vão mais de 30 corredores de Tangamandápio e já ganhamos prêmios em diferentes categorias”, contou o ciclista, detentor do título de campeão nacional sub-23.

“Todos identificam Tangamandápio com a figura do Jaiminho. Esse personagem colocou nossa cidade no mapa. Antigamente, nem todos tinham televisão aqui e as famílias se juntavam para ver o Chaves. Agora, cada vez mais Tangamandápio é identificada pelo ciclismo de montanha competitivo, e não apenas pela bicicleta do Jaiminho. Os tempos mudaram, mas até hoje me perguntam se o Jaiminho viveu aqui. Quando estou com meu irmão, ele brinca e fala que sou afilhado do Jaiminho”, contou, sorrindo.

Em Santiago de Tangamandápio, existem duas versões para a ligação da cidade com Jaiminho. Há quem diga que Roberto Bolaños, criador do seriado, encontrou a cidade ao folhear a lista telefônica e gostou do nome. Outra tese é a de que Raul “Chato” Padilla tomou conhecimento do povoado ao ver uma placa indicativa na estrada. Fato é que ambos jamais haviam pisado na localidade, o que torna cômica sua vocação para o ciclismo.

Além de Alejandro Barajas, a cidade de Tangamandápio conta com Misael Vega, campeão da edição de 2008 do Pan-americano juvenil de ciclismo de montanha, disputado na Venezuela. Atualmente, os dois “tangamandapianos”, como dizia Jaiminho, dominam o campeonato de Michoacán, estado no qual a cidade se localiza, vizinho a Jalisco. No último domingo, ambos fizeram uma dobradinha na oitava etapa da liga.

Paulo Roberto Escobar, administrador da unidade dos Correios de Tangamandápio, criou uma equipe de ciclismo de montanha e escolheu o carteiro Jaiminho como símbolo. Barajas posou para fotos com a camiseta do time e, ao se despedir da reportagem, manifestou um desejo. “Nos vemos nas Olimpíadas do Rio de Janeiro. Em 2016, eu vou estar lá”, projetou o ciclista, sem medo de evitar a fadiga.

TOUR DE FRANCE 2012 – Organização revela percurso

Paris – O calendário de etapas e os detalhes do percurso da Volta da França em 2012 foram apresentados nesta terça-feira. A próxima edição da principal prova do ciclismo mundial será realizada entre 30 de junho e 22 de julho de 2012, com início na cidade de Liège, na Bélgica, e encerramento em Paris.

Os ciclistas que vão competir na Volta da França de 2012 terão que encarar novas e mais íngremes montanhas. Porém, a próxima edição terá mais etapas de contra-relógio. Assim, a expectativa dos organizadores é de uma disputa ainda mais equilibrada entre os favoritos, que devem incluir o australiano Cadel Evans, atual campeão da prova, e o espanhol Alberto Contador.

A 99ª edição da Volta da França terá um percurso de 3.479 quilômetros, em 20 etapas, além do prólogo inicial. A largada volta a ser realizada em Liège, como aconteceu em 2004. E esta será a 19ª vez que o início da prova não acontecerá na França. Após o prólogo inicial, de 6,1 quilômetros, em 30 de junho, os ciclistas vão disputar a primeira etapa da Volta da França no dia seguinte, com 198 quilômetros, entre Liège e Seraing.

A Volta da França de 2012 terá quase 100 quilômetros de contra-relógio, disputados em três etapas, incluindo a penúltima, de 52 quilômetros, entre Bonneval e Chartres. “Não há nada pior do que velhas rotinas. E as equipes se adaptam com uma incrível velocidade. Temos que tentar trazer coisas novas a cada vez para que ocorram mudanças”, disse Christian Prudhomme, diretor da Volta da França.

Apesar do aumento no número de contra-relógios, as escaladas não foram deixadas em segundo plano na próxima edição da Volta da França. Em 2012, três etapas terão suas chegada em altas montanhas.

O anuncio do percurso foi acompanhado por Evans, os irmãos Andy e Frank Schleck, de Luxemburgo, que ficaram em segundo e terceiro lugar, respectivamente na Volta da França deste ano, e pelo belga Philippe Gilbert, líder do ranking da União Ciclística Internacional.

Confira o percurso da Volta da França de 2012:

Prólogo (30 de Junho): Liège (6,1km contra-relógio individual)

1.ª etapa (1 de Julho): Liège – Seraing (198km)

2.ª etapa (2 de Julho): Visé – Tournai (207km)

3.ª etapa (3 de Julho): Orchies – Boulogne-sur-Mer (197km)

4.ª etapa (4 de Julho): Abbeville – Rouen (214km)

5.ª etapa (5 de Julho): Rouen – Saint-Quentin (197km)

6.ª etapa (6 de Julho): Épernay – Metz (210km)

7.ª etapa (7 de Julho): Tomblaine – La Planche des Belles Filles (199km)

8.ª etapa (8 de Julho) : Belfort – Porrentruy (154km)

9.ª etapa (9 de Julho) : Arc-et-Senans – Besançon (38km contra-relógio individual)

10.ª etapa (11 de Julho): Mâcon – Bellegarde-sur-Valserine (194km)

11.ª etapa (12 de Julho): Albertville – La Toussuire (140km)

12.ª etapa (13 de Julho): Saint-Jean-de-Maurienne – Annonay (220km)

13.ª etapa (14 de Julho): Saint-Paul-Trois-Châteaux – Le Cap d’Agde (215km)

14.ª etapa (15 de Julho): Limoux – Foix (192km)

15.ª etapa (16 de Julho): Samatan – Pau (160km)

16.ª etapa (18 de Julho): Pau – Bagnères-de-Luchon (197km)

17.ª etapa (19 de Julho): Bagnères-de-Luchon – Peyragudes (144km)

18.ª etapa (20 de Julho): Blagnac – Brive-la-Gaillarde (215km)

19.ª etapa (21 de Julho): Bonneval – Chartres (52km contra-relógio individual)

20.ª etapa (22 de Julho): Rambouillet – Paris (130km)

 

Fonte: VEJA.com

COPA VO2 DE CICLISMO AMADOR

 

A MONTANHA SEMPRE FOI E SEMPRE SERÁ O MAIOR DESAFIO DE QUALQUER CICLISTA.

A Copa VO2 resgata o espírito de determinação, símbolo do ciclismo.Inspirada nos grandes eventos europeus, a Copa VO2 busca resgatar este espírito de conquista e determinação tão arraigados no pedal.

Referência na modalidade, a Copa VO2 atrai participantes de diversos níveis de condicionamento – iniciantes e experimentados, amadores e profissionais – todos amantes do esporte sobre 2 rodas.

Entrando em seu 6º ano de história, a Copa VO2 é hoje o maior e mais importante circuito de ciclismo amador do Brasil.