Category Archives: Tecnologia

BIKE ARTE

The Sprinter - Jesse Meyer

Dê a 47 escultores do mundo todo uma caixa com 100 das mais inovadoras peças de bike da marca SRAM, entre raios, guidões e alavancas de freio.  Acrescente uma boa causa e o resultado só pode ser positivo. Esse é o SRAM Part Project.

Os artistas selecionados tiveram o desafio de produzir esculturas, para serem leiloadas a fim de arrecadar fundos para o World Bicycle Relief (WBR), uma organização que ajuda pessoas em regiões carentes do mundo  que sofrem com a falta de acesso a postos de saúde, escola e oportunidades de trabalho. Desde que a organização foi fundada já colocou nas ruas desses países mais de 90 mil biciletas.

Sram not Swam - Kendall Polster

Segundo o blog da revista norte-americana Outside, as obras criadas  foram exibidas na feira Interbike, em setembro. Elas também estarão  em uma exposição na Gallery 1028, em Chicago. Além disso, as peças serão vendidas para colecionadores em um leilão online. Confira todas as informações no site oficial do projeto (www.sram.com).

Clique aqui  para conferir uma galeria de fotos com as melhores esculturas produzidas no projeto.

 

Fonte: gooutside.uol.com.br

Anúncios

ROBÔ QUE SABE ANDAR DE BIKE

Robô mostra que sabe andar de bicicleta melhor que muita gente

Primer V-2 (Foto: Divulgação)

Conheça o Primer V-2, um pequeno robô que esbanja confiança em cada pedalada. Projetado com um único fim – andar de bicicleta -, ele consegue se equilibrar sobre duas rodas e até pedalar relativamente rápido. O protótipo, construído pela fabricante japonesa Dr. Geuro, pode servir como um brinquedo do futuro, além de representar uma excelente iniciativa no ramo da robótica.

O robô pode atingir uma velocidade de até 10 km/h e funciona com a ajuda da força centrífuga exercida pela sua roda dianteira e um giroscópio, responsável por manter o protótipo pedalando em linha reta. Para brecar, ele usa os seus próprios “pés”, assim como fazemos normalmente.

O protótipo pode até ser visto por um lado cômico, diferente do que estamos acostumados a ver em outros robôs. Em especial na forma com que ele usa a bicicleta: o Primer V-2 realiza curvas um pouco desajeitadas, mas mesmo assim consegue se equilibrar em duas rodas.

 

 

Fonte: techtudo.com.br

GOOGLE STREET VIEW DE BIKE

O Google recentemente anunciou que o Street View tinha enviado suas primeiras equipes fluviais para mapear alguns rios da Amazônia. Ao mesmo tempo, outras equipes do serviço passeavam por parques importantes do mundo para fotografá-los e disponibilizar as imagens dentro do Google Maps.

Ao todo, o equipamento especial da gigante de buscas — sem carros motorizados — passou por 22 países diferentes, a fim de levar para frente o projeto de mapear parques como o High Line, em Nova York. Ele fica a 10 metros de altura nas ruas da Big Apple.

O Kensington Gardens, em Londres, também fica disponível para os usuários do Google. Ele era exclusivo dos habitantes do Palácio de Kensington, mas agora livremente pode ser visto por qualquer pessoa graças aos esforços da companhia.

Para concluir o projeto, teve de se desenvolver um tipo de bicicleta especial com toda a parafernália do Google Street View acoplada em cima. Geralmente, os equipamentos vão num carro convencional, mas a equipe do Street View conseguiu portá-los para uma simples bike. Até porque muitos dos parques não são acessíveis por veículos.

A promessa da gigante de buscas é publicar a listagem completa com os parques dentro da página do Google Maps em breve. De qualquer forma, as imagens capturadas também estão disponíveis por meio do Google Maps normal.

Fonte: http://www.techtudo.com.br

BIKE SOCIAL NA ONDA TECNOLÓGICA

O Sistema de Bicicletas Sociais (SoBi) foi criado por um grupo de amigos de Nova York

Para facilitar o sistema de bicicletas sociais, um grupo de amigos de New York criou o a SoBi (Social Bicycle System) em que o aluguel é controlado pelo celular. O projeto foi inicialmente idealizado pelo norte-americano Ryan Rzepecki.

O conceito de bicicletas sociais é muito interessante, porém todos os modelos já apresentados precisam de uma central em que o usuário possa retirar a bike. Neste caso, a bicicleta pode ser encontrada em qualquer ponto da cidade com ajuda de um GPS instalado. Assim, o usuário precisa apenas digitar uma senha e facilmente encontrar uma bicicleta disponível.

A bike pode ser usada à vontade, quando o usuário se cansar ele pode simplesmente deixá-la em um poste da cidade e paga somente pelo período que usou. Esta é uma proposta que contribui para a popularização de aluguel de bikes.

De acordo com os criadores do serviço, este é o primeiro sistema que possui autorização, controle e sistemas de segurança ligado à própria bike. O serviço convencional exige que os usuários devolvam as bikes nas estações e pedem cartão de créditos, documentos e comprovantes.

Fonte: exame.com

BICICLETA DE PET RECICLADO PRODUZIDA NO BRASIL

Que tal uma armação de bicicleta produzida a partir de plástico de garrafas PET, embalagens de shampoo e peças de geladeira? Pelo menos a 2.500 pessoas essa ideia interessa. Elas estão numa lista de espera para adquirir uma bike de quadro reciclado que é fabricada, sob encomenda, em São Paulo. Essa bicicleta é mais resistente, flexível e barata. Isso porque o plástico não enferruja, amortece naturalmente e sua fabricação transforma resíduos sólidos em um novo produto.

A invenção é do artista plástico uruguaio Juan Muzzi, radicado no Brasil. Ele estuda a fabricação desse modelo há doze anos, investindo dinheiro próprio. Há um ano e meio o molde final ficou pronto. A partir de novembro os primeiros exemplares serão distribuídos. “Tenho a patente da primeira bicicleta de plástico reciclado do mundo”, diz.

Para fabricá-las, Muzzi conta com o trabalho de algumas ONGs que recolhem sucata e vendem para uma empresa que granula o material. Os grãos são vendidos para a Imaplast, empresa de moldes que Muzzi dirige. Também é possível que o próprio interessado leve o material reciclável. No processo de produção, o plástico granulado entra em uma máquina e é injetado no molde de aço. “Cada quadro demora dois minutos e meio para ser fabricado e, se for feito só de PET, usa 200 garrafas”, explica o empresário.

A maioria das encomendas – elas devem ser feitas pelo site MuzziCycles* – pedem os quadros, apenas. Cada um custa R$ 250. Mas também é possível comprar a bicicleta completa, que pode chegar a R$ 3 mil. Estados Unidos, Alemanha, México e Paraguai já demostraram interesse em encomendar magrelas de plástico reciclado. Um modelo infantil começa a ser produzido no ano que vem. E mais: “Em maio começamos a fazer um modelo de cadeira de rodas. Mas nesse caso vamos doá-las. A pessoa só terá de trazer o material plástico”, conta Muzzi.

Fonte: super.abril.com.br